De que está à procura ?

Colunistas

Impávidos marotos ou os cromos de Natal

Quando era jovem, seguindo a tradição, enviava, pelo correio, cromos com desenhos alusivos à época natalícia. Em resposta recebia simples cartão de visita, e postais com velas, anjinhos ou simplesmente, o Menino acompanhado dos progenitores, com burrinho e gorda vaquinha.

Verifiquei, no correr do tempo, que as respostas escasseavam. Penei: será que os amigos e parentes não querem despender o porte da posta?

Fui reduzindo, ano a ano, o número de cartões de boas-festas. Hoje envio no máximo, quatro, a idosos, como eu.

Substitui os cumprimentos natalícios, por mensagens do telemóvel ou celular, como dizem os brasileiros, para diferenciarem-se dos que se encontram na outra banda do Atlântico.

Hábito arreigado, que ainda faço, embora cada vez menos.

Faço cada vez menos, porque a exemplo dos cartões, as respostas não aparecem…

Se o Correio cobrava a estampilha postal, as telefónicas – pelo menos em Portugal, – não cobram nada pelas mensagens.

Cheguei, portanto, a concluir: que não devia ser por motivos económicos. Mas sim, por desdém.

Parafraseando Camilo, direi como ele: “Impávidos marotos.”

Certa ocasião, estando a almoçar com famoso advogado e político influente confessou-me:

– “Quando estava na vida ativa, e ocupava cargos de relevo, tinha amigos e numerosos conhecidos. Afastado, evaporam-se como ratos…sei que é sempre assim – concluiu.

Envelheci, perdi amigos – Deus os levou, – e os novos, filhos deles, esqueceram as amizades paternas. Os que restam, poucos serão os que não pensem:

– Está velho, não têm influência, já não nos pode ser útil…

Que refinados e “impávidos marotos”…

Humberto Pinho da Silva

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

TÓPICOS