De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Desporto

Portugal de fora do Euro sub-21 e dos Jogos Olímpicos

Uns primeiros 24 minutos ‘trágicos’, com três golos sofridos, ditaram a eliminação da seleção portuguesa de futebol de sub-21 do Europeu da categoria, perante uma eficaz Polónia (1-3), em Chaves.

Nos primeiros três remates, de Krystian Bielik (cinco minutos), Dawid Kownacki (oito) e Sebastian Szymanski (24), os polacos viraram, com ‘juros’, o 0-1 caseiro e deixaram, praticamente, o ‘play-off’ sentenciado.

Um golo de Diogo Jota, que já havia faturado em Zabrze, aos 52 minutos, ainda deu esperanças à equipa lusa, mas, perante uma Polónia agora remetida à sua defesa, sobraram os cruzamentos e faltaram soluções e arte para criar oportunidades.

Durante quase todo o jogo, Portugal limitou-se, de facto, a colocar a bola na área, sendo que, muitas vezes, tinha lá poucos jogadores, em clara minoria, também física, face aos defensores polacos, que só se deixaram ‘enganar’ uma vez.

Desta forma, e depois de ter falhado o apuramento direto na fase de qualificação, entre outras coisas por culpa de um penálti falhado na receção à Roménia, aos 90+10 minutos, Portugal está fora do Europeu de 2019 e também dos Jogos Olímpicos de 2020.

Em relação ao encontro de sexta-feira, Rui Jorge manteve o ‘onze’ inalterado, enquanto o selecionador polaco procedeu apenas a uma alteração, colocando Jagiello no lugar de Michalak.

A Polónia entrou, praticamente, a ganhar, empatando a eliminatória logo aos cinco minutos, num cabeceamento imparável de Bielik, no centro da área, na sequência do primeiro canto do encontro, marcado na esquerda por Jagiello.

A formação lusa acusou o golo e sofreu outro apenas três minutos depois, no segundo remate dos polacos, de novo de cabeça, no ‘coração’ da área, agora do ponta de lança Kownacki, na resposta a um centro da direita de Zurkowski.

De repente, a dois golos do apuramento, e num estádio ‘emudecido’, Portugal começou, aos poucos, a reagir e poderia ter reduzido aos 18 minutos, quando João Félix, isolado por João Carvalho, atirou ao lado.

Mas, a Polónia fez o terceiro ataque com perigo aos 24 minutos e chegou ao terceiro golo: Kapustka fez o que quis na direita e centrou para a entrada da pequena área, onde apareceu Szymanski a encostar, com Joel Pereira a tocar, mas a não segurar.

Até ao intervalo, os polacos, cada vez mais confiantes, controlaram, sem problemas, a vantagem, perante uma equipa lusa perdida, sem ideias, desmoralizada e que nada mudou com a troca de João Carvalho por Rafael Leão, aos 38 minutos.

As melhorias vieram no início da segunda parte, com Portugal a entrar bem, a ameaçar por André Horta (47 minutos) e Diogo Gonçalves (50), para duas grandes defesas de Grabara, e a reduzir aos 52 minutos, num cabeceamento de Diogo Jota, na pequena área, após um centro da direita do jogador do Nottingham Forest.

A formação das ‘quinas’ ganhou uma nova alma e o jogo foi, até final, de sentido único, o da baliza da Polónia, que se limitou a defender, perante a insistência de Portugal, quase sempre, sem outras soluções, a abusar dos cruzamentos para a área.

Diogo Gonçalves (60 minutos) e Diogo Jota (74) dispuseram das poucas ocasiões claras, mas Portugal, com Xadas e Heriberto na parte final, não conseguiu chegar ao segundo golo e reentrar, efetivamente na discussão do apuramento.

Veja o resumo da partida em baixo: