De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Mundo

ONG de Catarina Furtado equipa maternidade na Guiné

 A organização não-governamental Corações com Coroa e a direção do Hospital Simão Mendes da Guiné-Bissau inauguraram uma nova ala da maternidade naquele estabelecimento hospitalar com equipamentos do antigo hospital de Vila Franca de Xira.

“A verdade é que houve a informação de que havia um hospital público de Vila Franca de Xira que estava desativado e cujo material estava sob a tutela da Santa Casa da Misericórdia de Vila Franca de Xira e contactaram-me no sentido de saber o que poderiam fazer e imediatamente me surgiu à cabeça a Guiné-Bissau”, afirmou Catariana Furtado, presidente da Coração com Coroa e embaixadora do Fundo das Nações Unidas para a População.

Segundo Catarina Furtado, que há 12 anos desenvolve projetos na área da saúde na Guiné-Bissau, a decisão de doar aquele equipamento à Guiné-Bissau surgiu por “conhecer a realidade no que diz respeito às carências” que existem no país, principalmente na saúde materno-infantil e neonatal.

“Achei que fazia sentido fazer um projeto cá”, afirmou.

“Está aqui montada uma nova ala na maternidade e também uma enfermaria. Vamos tentar manter o acompanhamento ao projeto para perceber em que é que podemos ajudar mais”, acrescentou.

A maternidade do Hospital Nacional Simão Mendes, em Bissau, realiza mensalmente cerca de 900 partos e segundo dados da organização não-governamental portuguesa o “mobiliário hospitalar é insuficiente e obsoleto”.

Ao todo, a Coração com Coroas instalou 100 camas articuladas de adulto, colchões, berços, camas de criança, mesas-de-cabeceira, marquesas para partos, marquesas cirúrgicas, macas, cadeirões articulados, lençóis de adulto e crianças, cobertores, atoalhados e vestuário de bebé.

“Estamos convictos de que esta oferta vai colmatar a situação que se vive na maternidade, incluindo que se ponham duas grávidas na mesma cama. Vamos acarinhar estes equipamentos, cuidar com muito rigor. Vamos ser exigentes com material e a limpeza”, afirmou o diretor do Hospital Nacional Simão Mendes, Agostinho Semedo.