De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Colunistas

Erdogan transforma a basílica Hagia Sophia em mesquita

Agora que o islão ganha foros de cidadania em toda a Europa, o presidente turco Erdogan aproveita para dar mais um passo no apagamento do maior símbolo da civilização ocidental na Turquia; para isso secunda o sonho dos islamistas declarando o antigo espaço sagrado cristão como templo islâmico. Este facto confirma a lei geral dos sempre novos poderosos que ao longo da História, para afirmarem o seu poder, apagam a memória positiva do passado.

O Papa Francisco desabafa dizendo “Penso na Santa Sofia e fico muito triste”. De facto, os seus esforços inter-religiosos pela boa convivência e pela paz não dão fruto no meio islâmico. A Unesco vai repensar o status de Património Mundial da Basílica agora convertida em Mesquita.

A igreja Santa Sofia, o maior templo da Igreja Oriental, foi inaugurada pelo imperador Justiniano no ano 537 e é o edifício mais importante do período bizantino e o ponto turístico mais belo de Istambul (Constantinopla); nela eram coroados os imperadores do império bizantino; foi tomada pelos invasores muçulmanos em 1453 e transformada em mesquita de 1453 a 1934; em 1934 foi transformada em museu por Kemal “Attaturk”, fundador da república turca, que com a sua revolução secularista queria separar a política da religião. Agora concretiza-se o objetivo do islão original (união política e religiosa) para o qual a união religiosa política constitui o melhor meio para se estabelecerem hegemonias.

O ministro de cultura da Grécia classificou a decisão de Erdogan como uma «franca provocação ao mundo civilizado». A forte reação grega é compreensível dada a agravante de os gregos e os arménios terem sido vítimas do genocídio turco com a ajuda curda e o beneplácito alemão. (Entre 1915 e1917, de acordo com diferentes estimativas, 300.000 a 1.500.000 cristãos arménios foram assassinados no Império Otomano. Na Turquia os cristãos têm sido perseguidos e são discriminados; hoje representam apenas 0,2% da população turca.

Para fundamentalistas sempre é melhor ver a igreja ser um lugar de oração do que de cultura museal!

A UE, a Rússia e os EUA consideraram a decisão “lamentável”. A Igreja Ortodoxa Russa mostra-se “horrorizada”. O Metropolita do Patriarcado de Moscovo falou na televisão estatal russa de “um golpe contra a Ortodoxia” e acrescentou: “Para todos os cristãos ortodoxos do mundo, a Hagia Sophia é um símbolo importante, tal como a de São Pedro é para os católicos em Roma”.

Embora a Turquia faça parte dos membros fundadores da Aliança das Civilizações “com o compromisso de promover o diálogo inter-religioso e a tolerância, o secularismo, a separação do Estado e da religião” ela encontra-se a caminho da plena islamização. A descristianização da Turquia é acompanhada pela sua muçulmanização.

Uma esquerda, que apoia a defesa dos interesses muçulmanos na Europa, deveria ser mais moderada, atendendo a não reconhecerem a separação entre Estado e religião, porque o fascismo religioso em momentos de crise não á melhor que o fascismo de Mussolini, ou outros como Estaline, Hitler ou Mao.

O que muitos secularistas e anticristãos filosoficamente desconhecem é que as aquisições humanistas e democratas da nossa sociedade desaparecerão da civilização ocidental com o enfraquecimento do cristianismo. Desconhecem que ao fazê-lo serram no galho em que se encontram. Imagine-se que significará nos Estados seculares se as crenças religiosas passarem a formar partidos políticos dentro de um Estado! Entretanto todas as pessoas de boa vontade deveriam fazer tudo por tudo para que as religiões se tratem como irmãs na sociedade. As elites ocidentais ao apostarem apenas na economia como meio de se afirmarem e de contentar o povo atraiçoam, a longo prazo, a estabilidade das sociedades.

António da Cunha Duarte Justo

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.