De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Lifestyle

Como descobrir diamantes a olhar para as plantas

É cheia de espinhos, parece uma palmeira e pode chegar a 10 metros de altura. Mas a Pandanus candelabrum – uma planta identificada recentemente na Libéria – tem uma característica singular: aparentemente, só cresce em zonas onde há chaminés de kimberlito, formações rochosas de origem vulcânica que podem abrigar grandes quantidades de diamantes, diz o Diário Digital.

«Na Libéria – pelo menos – temos descoberto uma relação um para um: cada vez que encontramos a planta, encontramos kimberlito», disse Stephen Haggerty, geólogo da Universidade Internacional da Florida, em Miami, nos EUA, e autor do estudo publicado na Economic Geology.

Haggerty acredita que a planta adaptou-se a esses terrenos porque contém níveis elevados de magnésio, potássio e fósforo que constituem um «fertilizante muito bom».

Mas encontrar essa planta significa descobrir um tesouro?

Segundo Haggerty, as amostras não são estatisticamente significativas para fazer uma afirmação tão contundente.

Além disso, acrescenta, há outros requisitos fundamentais que precisam de estar presentes.

«Os diamantes estão restritos geologicamente. Só se encontram nas regiões mais antigas da crosta terrestre [em partes de África, Canadá, Sibéria, Brasil]», destaca o pesquisador. E a família desta planta aparece em regiões tropicais e subtropicais.

«Por conseguinte, só se esses dois elementos se combinarem é que existe a possibilidade de se encontrar kimberlito e, se encontrar kimberlito, há hipóteses de encontrar diamantes», acrescenta.

As chaminés de kimberlito são raras. Das mais de 6.000 que se conhece, cerca de 600 contêm diamantes. E, dessas, apenas 60 contêm diamantes em quantidade necessária para justificar o custo da extração, esclarece o cientista.

A descoberta tem o potencial de mudar radicalmente a forma como se faz prospecção para procurar diamantes.

Detectar um indicador da sua presença à superfície implica menos trabalho e um custo menor.

«Poderia ser [um método] particularmente útil em lugares como a Amazónia, onde a floresta é muito frondosa e onde é preciso escavar muitos metros antes de ver se há kimberlito», disse Haggerty.

E, para os países de África que passaram por guerras e foram assolados pela epidemia do ébola, destaca Steven Shirey, geólogo especializado em diamantes do Instituto Carnegie para a Ciência, nos EUA, a exploração mineral das chaminés de kimberlito pode oferecer benefícios económicos sem gerar grandes danos ambientais, já que este tipo de minas – estreitas e verticais – têm um impacto muito menor que, por exemplo, as minas de cobre a céu aberto.

Mas Haggerty teme que muitos comecem a procurar diamantes desenfreadamente se encontrarem um exemplar de Pandanus candelabrum.

«Sou ambientalista e esta é uma planta exótica, por isso preocupa-me que [a descoberta] possa ter um impacto negativo no sentido de que se comece a escavar sem ter em mente todos os elementos que devem estar presentes.»

«Se encontrar a planta, não vai encontrar necessariamente diamantes. Tem que estar num país onde estes existam.»