De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Desporto

Benfica diz adeus à Champions

O Benfica disse um ‘amargo’ adeus à Liga dos Campeões em futebol, rumo à Liga Europa, com uma jornada por disputar no Grupo E, ao ser goleado por 5-1 no reduto do Bayern Munique.

Necessitado de vencer por dois golos para continuar na corrida aos ‘oitavos’, depois do triunfo do Ajax em Atenas, o conjunto de Rui Vitória cedo mostrou que não tinha argumentos para sequer equilibrar o encontro com os bávaros.

O holandês Arjen Robben, com duas ‘obras de arte’, aos 13 e 30 minutos, encarregou-se de mostrar que a tarefa era mesmo impossível, e o polaco Robert Lewandowski, com dois tentos de cabeça após cantos, aos 36 e 51, e o francês Franck Ribéry, aos 76, acabaram de ‘dizimar’ os ‘encarnados’.

Pelo meio, na primeira jogada da segunda parte, o Benfica ainda reduziu, pelo recém-entrado Gedson Fernandes, mas esse foi um dos poucos momentos altos da equipa, a par de várias grandes defesas de Vlachodimos, a impedir um resultado ainda mais pesado.

Em relação ao último jogo na ‘Champions’, a receção ao Ajax (1-1), Rui Vitória procedeu a três alterações, trocando o castigado Jardel, Gedson Fernandes e o lesionado Salvio por Conti, Pizzi e Rafa, mas manteve o ‘4-3-3’.

Perante um Bayern sem Renato Sanches, no banco, e com os ‘pesos pesados’ Robben, Ribéry, Müller e Lewandowski no ‘onze’, o Benfica tentou ter a bola nos primeiros minutos e conseguiu-o, a espaços, mas só no seu meio campo.

Os locais não se assustaram e adiantaram-se no marcador, aos 13 minutos, numa jogada individual de Robben, que, na direita, passou entre Cervi, Grimaldo e Fejsa, contornou Gabriel e, com o seu ‘mágico’ pé esquerdo, ‘fuzilou’ Vlachodimos.

O golo ‘soltou’ os alemães, com Ribéry, aos 19 minutos, e Lewandowski, aos 23, a ameaçar o segundo, que Robben concretizou, aos 30, ao fletir da direita para o centro, perante a impotência de Conti, para novo ‘tiro’ imparável de pé esquerdo.

O Benfica, que só criara algum perigo em dois passes em profundidade para Rafa, anulados por Neuer, ficou ainda mais intranquilo e, aos 36 minutos, Lewandowski marcou, de cabeça, após um canto, nascido de grande defesa de Vlachodimos.

A vencer por 3-0, os bávaros desaceleraram e o jogo acalmou até ao intervalo, que Rui Vitória aproveitou para trocar Pizzi por Gedson Fernandes.

O jovem médio só demorou 39 segundos a faturar no início da segunda parte, após tabela com Jonas, mas, aos 51 minutos, o Bayern repôs três tentos de vantagem, com o ‘bis’ de Lewandowski, novamente de cabeça e após um canto.

Os bávaros perceberam que o jogo estava, definitivamente, ganho e optaram por repousar, mais do que tentar ampliar a vantagem, perante um Benfica que continuou expectante, com Seferovic em vez de Jonas desde os 59 minutos.

Ainda assim, quando acelerava, o Bayern ameaçava marcar mais golos e o quinto chegou mesmo, aos 76 minutos, com Ribéry a tabelar com Alaba e, mais em jeito do que em força, a colocar com classe a bola junto ao ângulo inferior esquerdo.

Com tudo mais do que resolvido, o jogo arrastou-se até final.