De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Europa

Portugal no espaço

O responsável nacional pela PLATO, missão da Agência Espacial Europeia que se inicia em 2026 e visa detetar planetas semelhantes à terra, destacou hoje “a importância que a missão assume para a ciência, tecnologia e indústria” portuguesas.

Em declarações à Lusa, Nuno Cardoso Santos, o responsável nacional pela missão e investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, contou que a PLATO “é mais um exemplo” de como “a participação científica na missão permitiu envolver a indústria nacional”.

“Estarmos envolvidos neste projeto são passos fundamentais para garantir que a aliança científica que temos hoje a nível internacional se mantenha daqui a dez ou 20 anos. Estes são projetos a longo prazo, que nos garantem um papel relevante na comunidade científica”, salientou o investigador.

A missão PLATO vai iniciar-se em 2026 e tem como propósito medir o brilho de cerca de 80 mil estrelas para observar se os planetas em torno dessas estrelas têm características semelhantes à terra como, por exemplo, se são de tipo rochoso ou se a distância que mantém da estrela permite a existência de água líquida.

PLATO visa ainda a criação de “um primeiro catálogo de planetas” que vai permitir, futuramente, um estudo mais detalhado sobre as suas composições químicas e as suas atmosferas.

No dia 04 de outubro, durante o Congresso Internacional de Astronáutica em Bremen (norte da Alemanha), liderado pela empresa alemã OHB Systems, a missão entrou em fase industrial com a assinatura de um contrato para a construção de um satélite.

Segundo Nuno Cardoso Santos, em Portugal, a empresa DEIMOS está a desenvolver equipamentos de software, uma empresa do Porto está a desenvolver parte do hardware e o Instituto de Astrofísica está a desenvolver equipamentos de software, mais direcionados à área das ciências, e ainda um sistema ótico para as câmaras que vão para o espaço.

“Neste momento temos todos os meios e um plano a longo prazo muito bem consolidado e delineado que nos permite, se tudo correr dentro da normalidade, estar a trabalhar com os melhores institutos e profissionais nesta área, assim como estarmos envolvidos nos melhores projetos”, frisou.

Para o responsável nacional pela missão PLATO, este é “o grande passo” que alguma vez a astrofísica deu à procura de planetas semelhantes à terra.

“A missão PLATO vai ser a única missão que neste momento nos vai permitir descobrir outros planetas semelhantes ao nosso, medir o seu tamanho e completar informação sobre eles, pelo menos de forma tão sistemática como vai ser”, acrescentou.

Para além do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, nesta missão, aprovada pelo Comité do Programa Científico da Agência Espacial Europeia, colaboram também outros centros de investigação europeus.