De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Mundo

Guterres pede às partes no Sudão do Sul para finalizarem acordo

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, elogiou esta segunda-feira a assinatura de um acordo de partilha de poder no Sudão do Sul, instando as partes em conflito a finalizá-lo rapidamente para encerrar quase cinco anos de guerra civil.

O governo e os rebeldes do Sudão do Sul assinaram hoje, em Cartum, um acordo de partilha de poder, uma iniciativa para acabar com a guerra civil que assola o país mais jovem do mundo.

O presidente Salva Kiir e o seu rival, o chefe rebelde Riek Machar, assinaram o acordo, na capital do vizinho Sudão, que prevê o retorno de Machar para ocupar uma das cinco posições de vice-presidente no governo de unidade nacional. Machar teve que se exilar após uma batalha mortal em agosto de 2016.

Para António Guterres, esse é um “passo importante” para revigorar o processo de paz após o fracasso do acordo de 2015, que já deveria terminar com o conflito.

O secretário-geral da ONU pede a todas as partes que “trabalhem de boa fé e demonstrem o seu compromisso de implementar e finalizar integralmente” este acordo “o mais rápido possível”.

As negociações devem continuar até a assinatura de um acordo final de paz.

Em 25 de julho, o Governo do Sudão do Sul e os principais grupos da oposição assinaram, em Cartum, um acordo preliminar para a distribuição do poder, um dos assuntos menos consensuais, e concordaram em alguns pontos relativos às forças no terreno, apoiando a unificação dos soldados de ambos os lados sob um único comando militar.

O Sudão tem sido um dos principais mediadores nas conversas entre o Governo e a oposição armada do país vizinho.

A guerra civil no Sudão do Sul começou em dezembro de 2013, dois anos após a independência do país, e opõe as forças leais a Kiir e as leais ao então vice-Presidente, Riek Machar.

O Conselho de Segurança da ONU impôs um embargo de armas no sul do Sudão em meados de julho e sanções contra os dois líderes militares para forçar os líderes a voltarem à mesa das negociações.

O Sudão do Sul é independente do Sudão desde 2011, mas afundou em dezembro de 2013 em uma disputa de poder entre MM. Kiir e Machar, que deixaram dezenas de milhares de mortos, quase quatro milhões de deslocados e causaram uma grande crise humanitária.