De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Colunistas

Governo alemão dividido na política de refugiados

A apresentação do Plano Mestre de Migração do ministro do Interior, Horst Seehofer, marcada para hoje (12.06.2018) foi adiada devido à intervenção da chanceler Merkel.

O motivo é uma disputa nos bastidores de Berlim com a chanceler Ângela Merkel. Seehofer quer resolver o problema nacional da imigração com medidas jurídicas nacionais enquanto que a Chanceler quer uma solução política para poder manter as portas da Europa abertas, mas ver a responsabilidade repartida por todos os países membros da EU.

O Plano do ministro viria fortalecer a posição dos países europeus que se declaram contra ou são reticentes em relação à política de imigração de Merkel. Seehofer não quer “um meio Plano com compromissos podres”, quer sim um plano com medidas “que do meu ponto de vista são necessárias para restabelecer a lei e a ordem na Alemanha “.

O ministro do Interior, quer, de acordo com informações do “Bild am Sonntag”, que refugiados não documentados e que deportados solicitantes de asilo que desejam retornar à Alemanha sejam rejeitados na fronteira. O Plano prevê também a luta contra as causas que motivam a fuga.

Para Merkel, o que conta são os argumentos políticos e não os jurídicos apesar da desordem administrativa consequente na Alemanha e de frequentes informações na imprensa de mortes e violações provocadas por refugiados muçulmanos.

A nível de UE, a Alemanha não pode dar a impressão de querer defender os seus interesses nacionais porque então falharia a sua intenção de comunitarizar, a nível de EU, o problema da imigração de refugiados políticos e da pobreza.

No fim de Junho os estados membros da UE reunir-se-ão para decidir da distribuição de responsabilidades. Daí o veto de Merkel à apresentação actual do Plano Mestre de Migração do ministro.

O testo da fervura da sociedade alemã já faz muito barulho, tanto a nível partidário como a nível de povo. Que Merkel queira distribuir o mal pelas aldeias é compreensível. Que países que não fazem o seu negócio nos países de conflito que provocam a emigração e devam receber quotas de provenientes destes países é um assunto de que a política correcta não deve falar! O dinheiro compra tudo, não respeitando sequer a honra das nações.

Vamos ver aonde isto leva!