De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Comunidades

Encontro de investidores da diáspora nos Açores já possibilitou novos negócios

Mais de 100 empresários de 11 países estão na ilha Terceira para conhecer as potencialidades de investimento nos Açores e para alguns o I Encontro Intercalar de Investidores da Diáspora já deu frutos.

“No âmbito deste encontro, ontem, de uma forma informal, tivemos uma possibilidade de um potencial negócio para começar a explorar a hipótese de enviar [peixe] para a Califórnia. Já está dando frutos a nossa participação neste encontro”, adiantou, em declarações à Lusa, Simão Neves, da empresa Azorfisk, da ilha de São Miguel, que exporta peixe dos Açores para o continente português, mas também para Canadá, Estados Unidos e Espanha.

Para o empresário açoriano, o arquipélago tem potencial para captar investimentos, não só pelos apoios financeiros e operacionais, como pela imagem ligada à natureza e pelo conhecimento existente, mas há ainda arestas a limar para aumentar a exportação.

“Um ponto que é preciso melhorar é a parte dos transportes que nos permitam de forma mais rápida e mais eficaz chegar ao destino final. Esse é que é o aspeto a melhorar e muito”, frisou.

Tony Saramago, empresário na África do Sul, sem raízes açorianas, já investiu no arquipélago da Madeira e espera estender o negócio aos Açores.

“A nossa área de negócios é na área da saúde, são facilidades antes de ir para o hospital e cuidados continuados. Nos Açores, como em Portugal, o sistema de saúde está em rutura, portanto tem de se começar a encontrar formas mais baratas de tratar certo tipo de patologias”, salientou.

Mais do que as vantagens fiscais, o empresário procura mercado para investir e mão de obra qualificada, porque, frisou, é “mais barato” do que importá-la.

David Tavares tem já empresas nos Açores, na área das telecomunicações, com mais de 50 funcionários nas ilhas de São Miguel, Terceira e Pico, mas assegurou ter intenção de estender a presença “a todas as ilhas”.

Natural de São Miguel, emigrou para o Canadá, por vontade do pai, há 50 anos, mas atualmente vai “todos os meses” aos Açores, onde tem casa.

O empresário defende que o desenvolvimento económico da região passa pela captação de investimento estrangeiro, sobretudo de açorianos, que, como ele, criaram negócios noutros países.

Com um “bom trabalho” na área das telecomunicações e saudades de casa, David Tavares chegou a pensar em regressar aos Açores, mas convenceram-no a começar um negócio e hoje tem escritórios em várias cidades no Canadá e nos Estados Unidos.

A aposta no arquipélago, afirmou, não foi feita apenas pelos laços afetivos, mas pela sua localização estratégica.

“A nossa visão era entrar na Europa e os Açores são a porta da Europa para quem vem da América do Norte”, frisou.

Até domingo, 110 empresários de 11 países assistem, na Praia da Vitória, a debates sobre as grandes áreas estratégicas de economia dos Açores, as políticas públicas do Governo da República, as medidas de apoio ao investimento e as políticas para as comunidades portuguesas, estando ainda previstas visitas a projetos locais e à cidade de Angra do Heroísmo, que integra a lista de Património Mundial da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura).