De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Mundo

Balas que mataram vereadora do Rio de Janeiro foram compradas pela polícia

Segundo uma reportagem exibida pelo RJ TV, um telejornal local da Globo, a perícia identificou a origem das munições com base nas cápsulas encontradas na cena do crime, que pertencem a um lote comprado a uma empresa privada pela polícia federal de Brasília em dezembro de 2006.

A mesma reportagem frisou que a perícia não viu sinais de modificação nas munições e que agora iniciará um trabalho de rastreamento deste lote.

Marielle Franco foi assassinada com quatro tiros de pistola, de calibre 9 milímetros, na cabeça, na noite da passada quando o carro em viajava foi alvejado por desconhecidos.

A vereadora, nascida e criada na favela da Maré e que era militante de um partido de esquerda, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), foi morta juntamente com o condutor depois de participar num encontro com mulheres negras.

O assassínio de Marielle Franco gerou grande comoção no Brasil e também no exterior.

No Rio de Janeiro, centenas de pessoas acompanharam o velório e enterro de Marielle Franco na quinta-feira. A cidade também foi palco de manifestações que reuniram milhares de pessoas na região central, que foram organizadas em homenagem a ela e ao condutor.

Houve também protestos em São Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Salvador e noutras capitais do país.

O caso também gerou comentários de repudio de membros do Governo brasileiro e da ONU e de organizações ligadas à defesa dos direitos humanos como a Amnistia Internacionais e a Human Rights Watch.