De que está à procura ?

reinounido
Lisboa
Porto
Londres, Reino Unido
Lifestyle

Arquiteto Manuel Aires Mateus distinguido com Prémio Pessoa 2017

O arquiteto Manuel Aires Mateus é o vencedor do Prémio Pessoa, foi anunciado esta sexta-feira pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra.

Pinto Balsemão destacou “a arquitetura moderna, abstrata e contemporânea”, com apelo a “formas e materiais vernaculares portugueses, que integra de um modo exemplar”, com “caráter inovador”, numa “continuidade entre o passado e a atualidade”, recordando a “obra pública vasta”, como o Centro de Criação Contemporânea de Tours, em França, o Museu de Design e Arte Conteporânea de Lausanne, na Suíça, e a sede da EDP em Lisboa.

O Prémio Pessoa distingue anualmente uma personalidade portuguesa que tenha tido uma “intervenção particularmente relevante e inovadora na vida artística, literária ou científica”.

O júri do Prémio Pessoa 2017 é composto por Francisco Pinto Balsemão (presidente), Emídio Rui Vilar (vice-presidente), Ana Pinho, António Barreto, Clara Ferreira Alves, Diogo Lucena, Eduardo Souto de Moura, José Luís Porfírio, Maria Manuel Mota, Maria de Sousa, Pedro Norton, Rui Magalhães Baião, Rui Vieira Nery e Viriato Soromenho-Marques.

O vencedor da edição do ano passado foi o escritor e filólogo Frederico Lourenço, de quem o júri elogiou o “traço singular” de ter oferecido “à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica”.

O Prémio Pessoa, que vai na sua 31.ª edição, tem um valor monetário de 60 mil euros e é uma iniciativa do jornal Expresso, com o patrocínio da Caixa Geral de Depósitos.

O Prémio Pessoa foi atribuído pela primeira vez em 1987, ao historiador José Mattoso.

Desde então foram reconhecidos, entre outros, o poeta António Ramos Rosa, a pianista Maria João Pires, os investigadores António e Hanna Damásio, o neurocirurgião João Lobo Antunes, o arquiteto Eduardo Souto Moura, o constitucionalista José Joaquim Gomes Canotilho, a historiadora Irene Flunser Pimentel, o ensaísta Eduardo Lourenço, a investigadora Maria Manuel Mota e o artista plástico Rui Chafes.